segunda-feira, 19 de outubro de 2009

?

Num rasgão mal pautado, escrevo torto por linhas tortas. Escrevo em letras médicas. Não reviso; não preciso me preocupar. É um texto sem autoria.

Quando a noite chegou, a preocupação aumentou. O tormento reaparece na mente ociosa. Aquelas letras disformes só me remetem ao trágico desfecho das minhas pretensões. Não quero mais vê-las. Não quero mais viver encarando os medos. Foram muitos em poucos intervalos. A loucura me visitou. Nunca mais quero estar nesse limiar... A sanidade é instável. É uma constatação.

Num falar poético, me encontro com palavras. Palavras me remetem ao que não pretendo seguir. Ou será que me engano? O orgulho me cega e as frases ambiciosas já não surtem efeito algum. Talvez esteja próximo o dia do despertar. Talvez a lucidez me visite. Talvez não.

Se viver no clichê do aprisionamento é destino certo, por que a vida existe? Muitas questões e poucas respostas... Precisa-se pensar para agir. Precisa-se existir para pensar. Precisa-se questionar para existir?

Então, se preciso for, que seja a pergunta correta. E se for agora, que seja a hora certa.

Nunca se sabe a hora; nunca se sabe a pergunta. Nunca houve resposta.

Autor desconhecido.

3 comentários:

  1. Enfim, alguém entendeu tudinho? :o

    ResponderExcluir
  2. Nunca se sabe a hora; nunca se sabe a pergunta. Nunca houve resposta. rssrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Boa Rô! Eu posso usar isso pra responder umas questões de química, biologia ou física! :P

    ResponderExcluir